Disforme

Minha mente não escapa
de mim
Meus atos não fogem
de quem eu sou
Minha conduta corresponde
àquilo que de pior em mim existe

O limitado bem que habita
incapaz é de me transformar
Um extenso mal me envolve
me domina,
me transforma,
me deforma

multiforme,
e, ao mesmo tempo, disforme,
não há nada que me tranforme
que me liberte da minha sina,
do meu destino,
do meu eu,
da minha vida,
do fim,
que se aproxima
que me engolfa
que me devolve
ao pó de onde vim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s