Sempre adiante

Seu ano novo começara antes – ainda no ano anterior: 2009. Mais exatamente no dia 29 de dezembro. Sim, tudo começara com um presente que recebera de um amigo, um dos poucos amigos indefiníveis que ele possuía. O presente em questão era um texto. Ao lê-lo, um novo tempo começara: ano novo, vida nova… Ele passara, então, a meditar no poder que a opinião de um outro tinha sobre si.

Saiu de casa, rumo aos encontros que o esperavam antes, durante e após o reveillon, comemoração que marca o início oficial do novo ano. Mas o dele já havia começado. Iria apenas cumprir os protocolos sociais. Seu 2010 já estava em trânsito, mesmo que ele não comentasse. Quem entenderia? Talvez aquele que dera início a tudo, com as palavras escritas em um texto.

Quando chegou ao seu destino físico, a esperança era aquilo que o movia. Esperança que logo o deixaria. Ele ainda não sabia que não chegaria aos destinos que o motivavam: encontros. Não demorou muito para que o primeiro encontro se revelasse em um dos maiores desencontros já tidos na vida. A esperança era toda, agora, para o segundo encontro.

Mas o que houve foi um segundo desencontro. Não houve encontro. Definitivamente, a esperança o abandonara. A saudade o visitava de uma maneira avassaladora. Saudade dos encontros naturais e espontâneos que o visitaram durante o ano que se fora. 2009 chegara ao fim, mas tais encontros permaneciam, habitantes da eternidade.

O desejo do seu coração se depositara, agora, em tais encontros. Ele precisava voltar. Sua alma ansiava por encontros. Lá, naquele lugar, não havia mais espaço na alma para o desejo. A esperança o deixara. Mas… surpresas sempre o visitavam. E, mesmo que ele não as esperasse, não seria agora que elas deixariam de chegar…

E o impacto foi grande. O novo ano havia trazido novas de-cisões… Ele se lembrara das palavras escritas naquele texto: “Nem espero que Deus conserve a nossa amizade, nem os meus sentimentos, nem a minha concepção. Eu espero, profundamente e euforicamente, que Deus TE conserve. Conserve a Pessoa que você é, pois estou certo que apenas isso importa para que sejamos amigos até a morte. Pois você é capaz de sempre tocar o barco.”

Sim, ele era grato por aquelas palavras. Quem as escrevera talvez nem soubesse o impacto que elas lhe haviam causado. Ignorava que elas o haviam o colocado de pé. Provavelmente tal pessoa nem mais se lembrasse com exatidão a profundidade do que escrevera. Mas ele, sim, sabia. Mais que saber, ele sentia… E como sentia… Grato, por ter apostado em alguém que se revelara infinitamente mais capaz e melhor do que ele havia esperado. Ele sabia da capacidade humana de tal ser, mas não esperava uma evolução tão rápida… Lembrou-se que o Amor (ou Deus) flui sempre de fontes inesperadas.

As surpresas não parariam por aí. A volta aos cenários primordiais de sua vida lhe lembraria, uma vez mais, que as coisas acontecem quanto têm que acontecer, e não quando a gente quer! Era hora de aprender a lidar com isso… Estaria ele pronto?

Uma outra história. Dessa vez, recheada de encontros. Era hora de continuar tocando o barco, sempre adiante…

2 respostas em “Sempre adiante

  1. Pingback: Frenesi « Contradição™

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s